terça-feira, 20 de novembro de 2012

A eterna falta de parâmetro dos Especialistas em F1



Hoje a tarde, o amigo @brunovox23 quis me encher o saco e mandou um link para uma matéria sobre a lista de 20 maiores (entendi como melhores) pilotos de F1 e, é claro, a lista é bizarra. Essa lista, como as outras divulgadas anteriormente esbarram na falta de parâmetros. Não vou nem contestar a liderança desse menino mimado aí que leva o título de Herói do Brasil. O problema é mais embaixo:

Primeiro, vejam a lista completa:
1: Ayrton Senna (Brasil)
2: Juan Manuel Fangio (Argentina)
3: Jim Clark (Grã-Bretanha)
4: Michael Schumacher (Alemanha)
5: Alain Prost (França)
6: Stirling Moss (Grã-Bretanha)
7: Jackie Stewart (Grã-Bretanha)
8: Sebastian Vettel (Alemanha)
9: Niki Lauda (Áustria)
10: Fernando Alonso (Espanha)
11: Alberto Ascari (Itália)
12: Gilles Villeneuve (Canadá)
13: Nigel Mansell (Grã-Bretanha)
14: Mika Hakkinen (Finlândia)
15: Lewis Hamilton (Grã-Bretanha)
16: Nelson Piquet (Brasil)
17: Emerson Fittipaldi (Brasil)
18: Jack Brabham (Austrália)
19: Graham Hill (Grã-Bretanha)
20: Jochen Rindt (Áustria)

E abaixo, faça o check na lista dos 7 erros mais crassos:

1. Juan Manuel Fangio em 2ª lugar. Difícil essa questão que envolve os hermanitos, eles se apegam a esse negócio de melhor do mundo. Mas, para começar, o Fangio é de uma época em que a F1 era brutalmente diferente. Não tem como comparar os campeonatos pós década de 70, com aquilo que tinha nos anos 50. Ele era o melhor disparado nessa década, mas qual o critério de comparação para ver se ele foi melhor que o Prost, por exemplo? E se ele está na 2ª colocação por causa dos 5 títulos, porque o Schumacher não está na frente dele?

2. Stirling Moss em 6º lugar. Eu sei, o Galvão Bueno faz a mesma coisa por aqui, mas acho que é uma besteira esse negócio de protecionismo e reserva de mercado. Stirling Moss entrou aqui para aumentar a visibilidade da Grã-Bretanha na lista. Um cara que foi 4 vezes vice-campeão, só pode estar em listas que se destaquem Vasco da Gama e Rubens Barrichello. Isso, sem falar que ele é da época do Fangio. 

3. Sebastian Vettel em 8 lugar. Que esse garoto é um piloto diferenciado e já merece estar no hall da fama da F1, não há dúvida, mas daí colocá-lo entre os 10 melhores de todos os tempos é brincadeira de mal gosto. Como assim, meu chamarrada? Apesar de toda sua habilidade, ele só ganhou com o melhor carro da temporada (já vi esse filme na Mc Laren). Nunca o vi tirando leite de pedra e apesar de considerá-lo melhor, ele não se destacou tanto de seu companheiro de equipe na Red Bull. 

4. Fernando Alonso em 10º lugar. Evidentemiiente, outra pegadinha da BBC. Primeiro que na habilidade, ele é melhor que o Vettel, segundo que, mesmo sendo melhor que o Vettel, ele não é gênio e deve muito de suas vitórias à espionagem industrial e à maracutaias que sempre o beneficiaram. 

5. Nigel Mansell em 13º lugar. Aí vale o patriotismo inglês pesado. O Nigel Mansel correu contra o Piquet de 1980 até 1991. Nunca o venceu na disputa de um campeonato. Nessa mesma época, Piquet venceu 3 campeonatos mundiais. Tem alguma explicação plausível para ele estar em 13º lugar? Não, porque ele era um zé-ruela rápido, mas inconstante. Só ganhou um título em 1992, com o melhor carro e mais nada. 

7. Nelson Piquet em 16º lugar. O cara ganha 3 campeonatos mundiais, disputando contra 3 ditos TOP 10 do mundo (Senna, Prost e Lauda) e o que sobra para ele é um 16º lugar? Se isso não é vingança dos repórteres que ele sacaneou durante a carreira, não sei o que é!     

6. Emerson Fittipaldi em 17º lugar. O cara foi o campeão mais jovem da F1 durante anos e anos, venceu seu primeiro campeonato em cima do Jackie Stwart (que está em 7º lugar) e foi bi-campeão em sua 5ª temporada e o que arrumam para ele é um humilhante 17º lugar? 

Não vou fazer minha lista porque isso exige parâmetros pré-definidos. O melhor seria escolher o melhor em cada "categoria", como no Oscar:

Categoria Show Man 
O cara que vencia corridas de forma espetacular, tirava leite de pedra, que corria cada corrida como se fosse a última chance de vencer o campeonato e que era queridinho da imprensa internacional.
 AYRTON SENNA


















Categoria Nervos de Aço
Estrategista de primeira, calmo, consciente, e quase infalível. Suas vitórias eram geralmente mornas, mas sua paciência e regularidade o fizeram campeão por 4 vezes, nem sempre com o melhor carro.
ALAIN PROST


















Categoria Desbravador
Foi o primeiro mega-campeão em uma época em que a F1 ainda engatinhava. Tem seu valor histórico, apesar de não ter como se medir sua habilidade nos dias de hoje. 
JUAN MANUEL FANGIO


















Categoria Prodígio
Começou relativamente tarde no Kart (14 anos), não era chegado à concentração e foco no esporte, preferendo mais a balada e as mulheres. Mesmo assim, era um acertador de carros perfeito, é o autor da maior ultrapassagem já feita na F1 e foi 3 vezes campeão mundial. 
NELSON PIQUET


















Categoria Começar de Novo (ou Volta por Cima)
Foi campeão em 1975, sofreu um acidente em 1976 que queimou parte de seu corpo e quase lhe tirou a vida e foi campeão de novo em 1977 e 1984, correndo contra Prost, Piquet, Mansel e Rosberg. 
NIKI LAUDA


















Categoria Competidor Implacável
Maior recordista de todos os tempos na F1, venceu 91 GPs, foi ao podium 155 vezes, marcou 68 pole positions, 77 voltas mais rápidas e, nada menos do que 7 campeonatos mundiais. É, com certeza, o maior competidor de todos os tempos.
MICHAEL SCHUMACHER 


















Categoria Não é Minha Culpa
Correu durante 18 temporadas, mas não venceu nenhum campeonato. Participou de 326 GPs e só ganhou 11, o que lhe da uma razão de 3,3% de aproveitamento. Mas não se enganem, ele era extremamente habilidoso, o que prejudicava ele era a equipe, ou o Alemão, ou a falta de chuva, ou os pneus, ou o projeto do carro, ou a potência do motor. Enfim, um grande injustiçado, só que não! 
RUBENS BARRICHELLO

 
Clicky Web Analytics