segunda-feira, 30 de abril de 2012

Religião nos "olhos" dos outros é refresco...

Volta e meia eu pego o elevador junto com uma família muçulmana que mora no meu prédio. Os homens tem aquela cara austera, nunca sorriem e estão sempre falando em árabe. As mulheres usam véu e quase nunca se pronunciam. Confesso que sempre fico um pouco apreensivo. Não porque eu ache que eles são terroristas da Al Qaeda e vão explodir uma bomba a qualquer momento. As chances deles serem um núcleo de radicais islâmicos prontos para uma ação de terror são as mesmas de que meu outro vizinho protestante seja da Ku Klux Klan, ou seja, mínimas. Fico receoso porque tenho medo de olhar demais para uma das mulheres, ou falar alguma coisa sem querer que seja considerado desrespeitoso na cultura deles.

Muito bem, mas eu falei isso por algum motivo e não fui direto ao ponto. Já explico: mais de uma vez ouvi de amigos e conhecidos o quão grotesco é esse hábito de usar véu no rosto das mulheres, o quanto é absurdo a cultura de acreditar que o homem morto em uma Jihad vai para o céu e que lá o aguardam sei lá quantas virgens e como é idiota rezar varias vezes por dia virado para Meca. O que tenho a dizer sobre isso se resume em um simples ditado popular: "Quem não tem teto de vidro que atire a primeira pedra".

As pessoas estão tão acostumadas com sua própria cultura que ficam chocadas quando outras pessoas pensam e agem diferente. Veja, não sei se usar véu, ou na expressão máxima dessa modalidade, usar burca é pior do que botar crianças para sensualizarem nas tardes de domingo em cadeia nacional. Se você não entendeu o que eu estou escrevendo é porque não viu ou não lembra dos campeonatos da "Dança da Garrafa", onde crianças de seus 6, 7 anos de idade dançavam rebolando na "boquinha da garrafa".
 

 É também muito peculiar que se considere todo muçulmano terrorista, mas que seja uma heresia apontar o dedo para um católico taxando-o de pedófilo ou inquisitor. O que para uns é assunto muito sério, para outros não passa de piada. Para a maioria (aqui no Brasil) é caricato ver um islâmico orando para Meca e constrangedor ver as explosões de fé em um culto evangélico. Mas é proibido tornar anedota as carolas chorosas ajoelhadas em devoção a uma estátua. Aliás, estátua essa que já foi motivo de polêmica ao ser chutada (e despedaçada) por um evangélico que também não admitia que ídolos fossem louvados.

Interessante achar que índios são lunáticos que acham que uma simples máquina fotográfica tem o poder de tirar a alma de uma pessoa, mas é perfeitamente compreensivo acreditar que exista uma alma, algo que não se pode ver, ouvir, entender ou provar.Perceba você como o que é certo, errado, bom ou mal só é definido pela sua cultura. Para a maioria dos religiosos, a genética é uma tentativa de brincar de ser Deus e isso, meu caro, não será perdoado, nem por Ele, nem pelos homens que o temem.

Às vezes, até dentro da mesma religião existem desavenças e acusações de ignorância ou heresia. Muitos cristãos tiram sarro dos religiosos mais conservadores que acreditam no Criacionismo, na Arca de Noé e nos papos sérios entre Moisés e Deus no topo do Sinai. Esses têm que lembrar que acreditam em um homem que caminhava sobre as águas, ressuscitava gente morta e subiu aos céus de corpo e alma. Se no Brasil acreditássemos, por exemplo,em Thor, o Deus do Trovão, que traz tempestades guiando sua charrete voadora puxada por bodes, as histórias sobre Jesus nos pareceriam um tanto quanto absurdas. Concorda?


Não estou aqui julgando no que cada um deve acreditar, mas sim defendendo o direito de cada um acreditar no que quiser sem ser taxado de idiota, malfeitor ou ignorante. Minha fase de querer afirmar minha concepção sobre as coisas do além passou há algum tempo, quando percebi que discutir com fanáticos é completamente inútil. Mas acredito que seja possível sensibilizar meia dúzia de pessoas para que, ao menos, antes de condenar a cultura alheia, faça uma análise da sua própria. Pondere se as letras de Axé, Pagode e Funk são mais ou menos ofensivas para as mulheres do que o uso do véu e de fazê-las andarem atrás do homem. Pense se um céu cheio de virgens é mais absurdo do que um céu cheio de pessoas boas vestidas de branco cercada de anjos tocando liras. Reflita se temer ter a alma raptada por uma máquina fotográfica é tão mais incoerente do que acreditar em vida após a morte. Por fim, avalie se as coisas que você acredita são assim tão diferentes das que os outros acreditam.

PS:espero que fique claro que estou falando de hábitos culturais e religiosos que não prejudiquem a integridade física de outras pessoas. Não estou defendendo a extirpação de clitóris de países do norte da África e nem o estupro de virgens para a "cura" da AIDS, comum na África do Sul.

13 comentários:

Carlos "EJT" Vázquez disse...

Ótimo post. É por isso que acho tão importante viajar e conhecer outras culturas. Você percebe que seu conceito de "normal" não é tão universal quanto acreditava ser.

Futuro Fotógrafo disse...

Bela imagem de "Explain this bullshit!".

Rafael disse...

Como evangélico posso dizer que concordo com você. Apesar de acreditar em algo, não acho que todos devem ser obrigados a acreditar no mesmo que eu.

Também não acho que ninguém deve ser taxado de idiota, otários, retrógrado ou outras coisas do tipo. Cada um tem o direito (ao menos no Brasil) de crer no que quiser e fazer o que achar melhor (no que tange a religião e dentro dos limites legais) e deve ser respeitado como quem não acredita em nada disso ou acredita em algo diferente.

Como fã fico feliz em saber da sua posição.

Um abraço

Ana Lúcia disse...

Muito sensato seu texto.

rodrigo disse...

Concordo plenamente com você, hoje em dia após tantos avanços na tecnologia e medicina ainda nos deparamos com um dos maiores males da humanidade o egocentrismo, muitas pessoas ainda acham que seu ponto de vista dessa ou daquela religião é o mais correto, afinal oque é correto se é que existe algo nessa vida que seja de fato correto, É por isso que digo Viva e deixe Viver. Estamos aguardando o próximo post. Abraço Rodrigo BN.

ubrals disse...

ponto de vista muito bom mesmo. a tolerância ainda vai fazer a humanidade avançar

Marvin (Sérgio Rodrigues) disse...

Muito bom, Tucano. É realmente isso que acontece. As pessoas falam tanto de união e não discriminação, mas acabam cometendo um espécie de segregação religiosa todos os dias.

Gabriel Fontes disse...

Bom texto, sucinto e sensato.

Uma coisa que anda de desapontando hoje em dia é a internet. É incrível ver discriminação e julgamento pela crença ou a falta de, baseado em porra nenhuma.

Por isso eu prego a tolerância. Não é preciso gostar ou aceitar nada, o melhor é simplesmente tolerar. As pessoas são diferentes, simples assim.

=)

Leandro Souza disse...

Concordo com o que você disse. Acho que se Roma idolatra-se os deuses nórdicos, esta seria a religião de hoje na maioria dos países ocidentais. E faríamos chacota dos cristãos.

@neobat29 disse...

Cara concordo com você em alguns pontos.

Mas descordo dos seus exemplos, que foram mais irônicos do que verdadeiramente consistentes. Filosoficamente eu considero o cristianismo mais rico do que muitas religiões; não sendo à toa que uma de suas vertentes embasou todo o pensamento do homem-moderno-capitalista (estou falando de Weber).

Quanto à questão do véu, é puro preconceito de nós ocidentais; já vi várias charges e matérias comparando o pensamento ocidental e o do islã, e sobre como a gente é preconceituoso. Tem que se tomar muito cuidado ao analisar uma cultura com base na sua própria cultura (estou falando de Lévi-Strauss).

@neobat29 disse...

Nossa "descordar" foi foda. AGHEUIAHEIUHUAIE

maria de fatima disse...

Ué, a forma com a qual as mulheres são subjulgadas pelos homens na cultura muçulmana não é uma forma de violência psicológica?

Eu acho que essa violência(psicológica, mas ainda violência) é muito pior do que sexualização de crianças e letras machistas, que já são situações grotescas.

Willian disse...

Gostei mais tem muitos religiosos(não todos pfv não me ataquem) que não aceitam o fato de existir outras culturas para mim esse é um ignorante e na minha opinião pessoas como essas tinham que ser reduzidas! Ou seja eu apóio a redução populacional de pessoas assim!

 
Clicky Web Analytics