sábado, 27 de junho de 2009

Uma pessoa Relevante

Quem me conhece bem sabe que minha preocupação em vida é ser lembrado como uma pessoa relevante. Que fez diferença. Por causa disso mesmo, me tornei professor.

Essa semana a notícia que mais ganhou destaque no mundo inteiro foi a morte de Michael Jackson (para azar da Farah Fawcet). A morte enfim foi um presente para ele, pois por alguns dias, as pessoas esqueceram do ser deprimente que ele se tornou ao longo dos anos, para lembrarem da pessoa relevante que ele foi na vida da maioria das pessoas (pelo menos da minha idade).

Desde que me lembro por gente, Michael Jackson foi a pessoa que mais fez sucesso (Thriller tem mais de 100 milhões de cópias vendidas). Me lembro de como eu esperava ansioso para ver o clip underground de Beat it e de como fiquei apavorado ao ver o clip de Thriller pela primeira vez. Me veio à memória agora até o desenho dos Jacksons Five.

Na escola, todo mundo se esforçava para fazer o moonwalk. Ninguém conseguia nada parecido com o que MJ fazia. Ele era meio mágico e uniu pela primeira vez no mundo Pop a dança e a voz. Ele fez o break sair dos guetos e aparecer para o mundo.

Infelizmente, Michael Jackson era doente. Não sei se por causa do pai maluco, ou por causa da fama subta, mas o fato é que aquele cara se tornou um ser digno de pena. Não sei se ele comia as crianças na Terra do Nunca, ou que tipo de bizarrice ele se propunha a fazer. O fato é que ele tinha tudo para ser feliz e não foi. Se destruiu física e psicologicamente e terminou seus dias como uma aberração. Não fosse ele a pessoa relevante que foi, estaria num circo de horror no México para ganhar uns trocados.

Antes dele morrer, eu só conhecia um cara que se dizia fã do Michael Jackson - Rafael Gonçalves - mas agora parece que as pessoas deixaram essa repulsa de lado. Dizem que depois de morto todo mundo vira santo. Acho que Micael Jackson não era nenhum santo. Nem um demônio. Mas acho que ele foi realmente um cara que fez diferença no mundo.

12 comentários:

Bruno Rocha Leão disse...

Caraca, é exatamente isso que eu venho tentando condençar esses ultimos dias... Mandou bem cara!

Anônimo disse...

Muito bom o seu texto. Nunca fui muito fã do MJ pq nao fiz parte dessa geração, mas a morte mexeu comigo. Nao eh pq morreu e virou santo mas sei lah, concordo com o que seu amigo fã dele disse no perfil do orkut.

JoaoFPR disse...

Pobre da Farah.
Se o Michael, tivesse falecido uns dez anos atrás, teria ido como o Kurt Cobain foi.
Como um Deus.
Infelizmente, ele se foi como uma lenda e uma piada.
Ao mesmo tempo.

Filipe Aguiar disse...

No começo do mês fui nas Americanas e tava rolando um DVD do MJ. Pensei comigo: "Mês que vem vou comprar esse DVD", mal sabia que quando comprasse ele teria morrido.

Sempre gostei do cara, bizarrices a parte. Ele marcou uma geração inteira e na minha infância/adolescência não tinha quem não tivesse visto Thriller, não tinha quem não tivesse visto Moonwalker e não tinha quem não tivesse pirado com os clipes do MJ.

Não há bizarrice que apague a relevância de um cara desses.

Muita gente julga pela vida pessoal, fala que o cara virou santo e coisa e tal. Mas porra, vamos parar um pouco e lembrar do quanto esse cara contribuiu pra o ramo do entretenimento.

Comentei com um amigo meu que não tinha sido só o Michael Jackson que tinha morrido, que parte da minha infância foi embora. Caiu a ficha de que agora aquele mundo em que eu vivi não existe mais.

E agora o DVD vai ter mais importância ainda. Vai ser o registro de uma época que não volta mais.

Rosangela Silva disse...

Adoreeeei esse texto, meu amigo mais relevante de todos!

Leandro Margoto disse...

Tenho um respeito estratosférico pela carreira de Michael Jackson. O cara quebrou barreiras culturais e artísticas, revolucionou a música e a indústria audiovisual. COm certeza foi uma pessoa relevante.
Ele realmente era doente, mas talvez não foi culpa dele ser assim (como você mesmo disse, pai filho da puta + fama estrondosa = alta probabilidade de loucura. Geralmente os artistas enlouquecem e se afundam nas drogas, mas dizem que ele nem usava álcool e tabaco.
A tristeza por sua morte é em relação ao astro pop, e não à pessoa.

Cachorro Doido disse...

Resumiu o tudo rapaz.

Daniel disse...

Acho que é "Farah Fawcett" o correto.

Irrelevâncias à parte... suas considerações são irretocáveis. Acrescento apenas que eu continuei e continuo até hoje tentando fazer moonwalk, nem que seja pra fazer a namorada dar risadas.

Cara, você já pensou seriamente em escrever para algum jornal?

Abraços...

Daniel disse...

Ah! Essa primeira foto foi uma escolha muito boa, mostra um pouco da hombridade e força que o cara tinha, e que com certeza continuou tendo para enfrentar doenças, acusações (das quais foi absolvido) e ser Michael Jackson.

Jack disse...

Daniel, eu já escrevi uma coluna para um jornal de Santos por algum tempo e sou formado em jornalismo. Hoje me contento (e prefiro) escrever sem compromisso aqui na Web.

Valeu.

Bruno Vox disse...

A única coisa que sinto é pena, no sentido estrutura familiar. Eu vou no achismo, mas eu vejo que a falta do paio familiar ajudou a derrubá-lo.

Murilo Netto disse...

Esqueceu de um outro célebre fã de MJ: @diegosantana85

 
Clicky Web Analytics