quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Líbano 1982

Para entender a Quinta Guerra Árabe-Israelense é necessário saber alguma coisa sobre o Líbano, país onde a guerra se sucedeu.

O Líbano, pátria dos antigos fenícios, comerciantes notáveis e fundadores de Cartago, a maior rival de Roma na antiguidade.

Apesar de um passado grandioso, o Líbano foi dominado (assim como a Palestina) por diversos impérios. A princípio os Gregos e Romanos, e depois por Turco-Otomanos e os Franceses.

A República do Líbano foi criada em 1926, mas permaneceu sob o mandato da França até 1943. Nessa época o Líbano era um oásis em meio ao deserto que era a região, sendo considerado paraíso fiscal comparado à Suíça e pólo turístico de primeira categoria, sendo chamada por uns de Mônaco do Oriente, por causa de seus hotéis 5 estrelas e cassinos luxuosos, e por outros de Paris do Oriente, devido ao seu ar cosmopolita.

Lógico que não poderia ser tão fácil. Mais uma vez, a religião veio trazer o caos para aquela região. Desde 1926, um pacto tácito dizia que o presidente seria sempre um cristão maronita e o primeiro-ministro, um muçulmano sunita, pois eram as duas “etnias” preponderantes no país.

Acontece que a população mulçumana começou a crescer muito mais do que a cristã e os distúrbios pelo poder começaram a se transformar em luta armada.

Em 1956, eclodiu uma guerra civil. De um lado os cristão pró Tio Sam, do outro, os mulçumanos, apoiados pela Síria e Egito, que eram pró Moscou.

O problema se agravou mais ainda quando os 150 mil Palestinos refugiados no sul do Líbano desde 1948, se transformaram em mais de 300 mil em conseqüência da Guerra dos Seis Dias e do Setembro Negro em 1970. O limite dessa tensão aconteceu em 1980, com a divisão de Beirute pela "Linha Verde". Na parte ocidental moravam os cristãos e na oriental, os mulçumanos.

Acontece que a OLP e Israel estavam em guerra e Yasser Arafat tinha mudado sua base para Beirute. Então, em 1982, Israel atacou o Líbano. A princípio a invasão seria apenas ao sul do país, criando uma faixa de segurança que neutralizasse os ataques à Israel, mas o então Ministro de Defesa israelense, Ariel Sharon, queria mais. Bombardeou Beirute por 2 meses, destruindo a cidade e forçando a saída da OLP da capital libanesa.


Não contente com o estrago, o General Sharon, incentivou milícias cristãs pró-Israel a invadirem os campos de refugiados palestinos de Sabra e Chalita, no Líbano, resultando num massacare de civis que chocou o mundo pela brutalidade. Foram três mil civis mortos em três dias. Entre eles, crianças, velhos e mulheres grávidas.

O massacre teria sido uma represália ao assassinato do presidente pró-Israel, Bashir Gemayel.

Os Estados Unidos enviam tropas para o Líbano depois do massacres de Sabra e Chatila, mas se retiram em 1984, após pressões internacional e da resistência árabe(sírios, libaneses e palestinos). O tiro saiu pela culatra, pois a saída das tropas americanas e Israelenses, em seguida, enfraqueceu os cristãos no país.

Para saber mais sobre o Massacre de Sabra e Chalita, veja a animação WALTZ WITH BASHIR. Um longa baseado nas memórias de um soldado israelense que participou da Invasão do Líbano em 1982.


Próximo Post: Surge o Hizbolah

3 comentários:

lunatico disse...

Também tem uma música, acho que dos Garotos Podres, que chama Führer que fala desse massacre também.

Jack disse...

Caraca, Lunático, essa tu tirou do Baú!!!

Os imundos querem
Dominar o mundo
Com o poder de suas armas
Sob a sua estrela maldita
Fanáticos religiosos
Assassinos malditos
Filhos de Israel
Eu quero mata-los
Führer mein führer
Onde está você

Segundo o próprio vocalista da banda, "Mao": A letra foi escrita em 1982, na época dos massacres dos campos de refugiados de "Sabra" e "Chatila", durante a invasão do sul do Líbano pelo exército de Israel. A intenção da letra é a de comparar a política do Estado de Israel em relação aos palestinos com a política dos nazistas em relação aos judeus. Quem nos faz este tipo de acusação (Os Garotos Podres foram acusados de nazismo) simplesmente não nos conhece ou é desinformado ou mal-intencionado.

E isso é verdade. Já fui em show deles e o Mao rasgou uma bandeira nazista no meio do show!!! Além disso, no site oficial deles tem uma suástica com sinal de proibido!

Gilson disse...

Sharon está em coma há cerca de seis anos. Tomara que esteja sofrendo. E que ninguém perceba. E que continue assim por muitos anos. Ainda assim não pagará um milésimo do sofrimento que impôs aos palestinos.

 
Clicky Web Analytics