segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

A Culpa é do JUIZ!!!!


Desde que o juiz foi introduzido no esporte bretão, ele é o cara mais citado nas bocas dos educados torcedores, que em geral, gostam de discrever as aptidões profissionais da mãe, da esposa e das filhas do árbitro. Na história recente, tinhamos uma seleção de técnicos chorões. Os que mais se destacavam eram Leão, Levir Culpi, Vanderlei Luxemburgo e Muricy Ramalho.
O time mais chorão (não sem motivos) era o Santos, que vivia tendo gols mal anulado e sofria com as interdições de Zveiter. Hoje o que temos é uma epidêmia de reclamações de técnicos e jogadores, dizendo-se injustiçados e perseguidos.


Nesse final de semana o Corinthians ganhou, mas mesmo assim berrou no microfone da mídia. O São Paulo, que sempre berra, dessa vez ficou calado, já que foi favorecido pelo árbitro. Cadê o Marco Aurélio Cunha para chorar agora? O Botafogo (ahhh o Botafogo!), chorou que nem gente grande a derrota para o Flamengo.

De duas uma, ou transformamos o futebol em um esporte parado como o Futebol Americano, com consultas ao vídeo em lances duvidosos. Ou deixamos rolar e aceitamos que a falha do juiz faz parte do jogo e que nunca teremos um juiz imune aos erros.

Botafogo: Mais uma vez o Botafogo quase chegou lá. Como não chegou, a culpa foi do juíz. A culpa não foi do golaço do Tardelli. A culpa é do árbitro! Eles realmente acreditam que o Fábio Luciano (despido) não sofreu penalty. Eles realmente acreditam que não foi a falta de pontaria dos atacantes alvinegros a verdadeira culpada pela derrota.

O pior é que o jogo foi bonito, a torcida deu um show e o Botafogo jogou bem. Agora, como torcedor, eu só posso dizer uma coisa à CACHORRADA ALVINEGRA!


CRÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÉÚUUUUUUUUUUUUUUUUUUU!

domingo, 24 de fevereiro de 2008

Adeus...

Morreram essa semana o vozinho e o pai da Sinhá Moça.
O pai da Sinhá Moça também foi pai da Escrava Isaura, mas essa não era da minha época. Com a morte do vozinho, começa a ficar difícil escalar novelas. Quem está cotado para ser o substituto nos núcleos da terceira idade é o ex-Armação Ilimitada, André de Biase.
PS.: Ambos os atores falecidos tinham a idade de Beto Carreiro.

sábado, 23 de fevereiro de 2008

Ja vai tarde, CABRÓN!

Fidel renunciou ao comando de Cuba. Lógico que, em seu lugar ficou Raul, seu irmão. Mas essa notícia não deixa de ser interessante. Ainda que eu não seja fã da democracia, devo dizer que estou feliz.
Fidel x Pinochet: Outro dia questionaram no Manhattan Connection qual ditadura foi pior: Fidel, em Cuba, ou Pinochet, no Chile. Ricardo Amorim foi brilhante. Ele disse: Cuba, pois dura há 50 anos. No Chile o inferno durou 17 anos "apenas".

Os comunistas de merda insistem em dizer que Cuba é um exemplo, um bastião da resistência ao imperialismo americano. Na verdade a Ilha era um bastião do imperialismo Soviético, mas como aquela merda faliu, Cuba não é mais bastião de porra nenhuma.

Algumas verdades sobre Cuba: Cuba tem excelente taxa de analfabetismo (próximo de zero) e a saúde é realmente uma beleza. O que não se divulga é que saúde e educação já eram avançadas na Ilha desde os anos 50, com taxas iguais à de países da Europa. Cuba tinha um dos melhores índices das Américas. É só consultar os anuários da ONU.

Outra coisa que ninguém fala é que Fidel (que era filho de uma família latifundiária abastada) figura na lista dos mais ricos mandatários do mundo (7ª posição), com uma fortuna de US$900 milhões.

Mas para os intelectuais de esquerda (isso existe ainda?), Fidel é um comandante de uma revolução que tirou o povo da exploração gringa para tornar-se um paraíso. Na época de Fugêncio Baptista, Havana era um puteiro americano, é verdade. Mas Las Vegas e Atlantic City também são e estão felizes com essa condição. Agora, pergunta para um cubano o que ele acha de não poder falar sobre política no bar da esquina, não poder sair do país para nada, ter que comprar xampu no mercado negro e agüentar 11 horas de discurso do barbudo. Se fosse bom, nego não saia de lá boiando em pneu de trator. Pergunta para os atletas dissidentes! Pergunta para o Arturo Sandoval!

Chavez, aquela nossa anta hermana, disse: a renuncia do comandante foi um ato de desprendimento pessoal. CARALHO!!!! Depois de 50 anos de ditadura, mandando Deus (literalmente) e o mundo para o paredão, a renuncia é desprendimento social? Vai se foder!

Aliás, hoje em dia quem sustenta Cuba é a Venezuela, que por sua vez, tira a grana da venda de petróleo. Adivinhem, meus caros, quem são os maiores compradores de petróleo venezuelano? Hahahahahah Cuba é sustentada pelos gringos. Puta de la mierda!

Por essas e por outras mais, eu e os familiares dos que foram fuzilados no paredão só podemos dizer una cosita: Hermano Cabrón, já foi tarde, hijo de una puta madre!

PS.: Amanhã, Kosovo. Segunda-feira, Crônicas do Dragão.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Crônicas de um Dragão - Parte I

Um certo dia o pequeno Carpa se tornou um Dragão e percebeu o quão importante foram os ensinamentos.

Ao mudar-se de novo de cidade, notou que as pessoas já não lembravam de seus feitos e nem de Cláudio de Cubatão. Era preciso se impor para não continuar apanhando. A musculação e o surf foram boas saídas para sair dos 70Kg. A alimentação a base de sanduíche, pizza e cerveja também contribuíram!

Grandes poderes trazem grandes responsabilidades, já dizia Charles Xavier e Tio Ben. Um dia, um sujeito apareceu na rua com mais seis caras para intimidar os "de menor". O Dragão sentiu que seria obrigação defender suas hostes e comprou a briga. O cara era magrinho, mas como dizia a quarta lição do Carpa, ele tinha amigos.

Um dia, estava o Dragão e seu fiel escudeiro mato-grossense andando pela rua e os dois botaram o magrinho para correr (ele insistia em freqüentar o reduto do Dragão). Ele voltou com duas dezenas de camaradas. A lei de Van Dame continuava valendo e, de guarda armada, esperamos os 20 atacarem. Apesar da imensa maioria, nenhum dos inimigos queria ser o primeiro a encarar o Dragão. Eles o cercaram, mas não conseguiram se aproximar. O magrinho tentou, mas caiu no chão e teve as costelas quebradas por um tiro de meta bem batido.

Os inimigos finalmente atacaram, mas um cavalete de transito estava no caminho do Dragão. O cavalete virou uma clava e o Dragão começou a girá-lo, fazendo com que os ratos se afastassem.

A fuga só foi dada quando o fiel escudeiro do pantanal estava sendo socado. O Dragão gritou: foge rapá! Os dois fugiram para se recomporem.

O Dragão saiu ileso e descobriu mais um ensinamento. Era o Primeiro Ensinamento do Dragão: Atitude é tudo! Pode ter certeza: se um cara maior for te bater e você não fugir, esse cara vai ficar bolado. Se você correr para cima dele então, pode ser que ele saia correndo.

O Segundo Ensinamento Dragão vem de Malone, o tira. No filme "Os Intocáveis" o policial diz a seu pupilo Eliot Ness: “Se eles puxam uma faca, você puxa um revolver. Se eles mandam um dos nossos para o hospital, nós mandamos um dos deles para o necrotério.”
Na noite seguinte a rua parecia o filme Warriors, pois o Dragão tinha amigos. Sob a batuta do Dragão estavam surfistas, ninjas, ninjas surfistas, membros de torcida de futebol e toda espécie de guerreiros ávidos por combate.

Nessa noite não houve batalha. Só foi preciso a demonstração de força. Mas fiquem atentos ao Terceiro Ensinamento do Dragão: a demonstração de força só é valida se você estiver disposto a usá-la.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

Troca Troca Brochante (no bom sentido)

Essa é a semana Troca Troca no canal a cabo GNT. Durante a semana, os apresentadores dos programas do GNT trocam de lugar e tudo fica uma zona. A idéia era ótima, mas...

Até agora eu vi o Manhattan Connection com a participação de Betty Lago no lugar de Diogo Mainardi, o Marília Gabriela Entrevista, com Mônica Waldvogel e o Irritando Fernanda Young, apresentado por Diogo Mainardi. Devo dizer que foi brochante:


Irritando Fernanda Young: Diogo Mainardi estava "meio" sem jeito apresentando um programa que ele provavelmente nunca viu. Para piorar, a convidada do programa foi a própria Fernanda Young, que simplesmente trocou de cadeira.

Marília Gabriela Entrevista: Esse eu nem consegui ver inteiro. Como no programa supracitado, o entrevistado foi o próprio apresentador original. Mônica Waldvogel, titular do programa Saia Justa, entrevistou Marília Gabriela, que nem se deu ao trabalho de trocar de cadeira. Ela continuou sentando do lado direito do vídeo. Isso me cheira a cara torta.

Manhattan Connection: Esse foi o pior de todos. Talvez por ser o meu programa preferido na TV. Meteram uma ex-top model para participar de um programa de política. O resultado foi uma catástrofe. Fiquei até com vergonha dos comentários dela, como se fossem meus. Pior ainda, nosso querido amigo hebreu, Caio Blinder, ficou achincalhando a coitada da Betty Lago o tempo inteiro. A única parte boa do programa foi quando ela disse que ele usa lingerie!!!!

Resumindo, a idéa era boa, mas como quase tudo no Brasil: MAL EXECUTADA!

P.S.: Próximo Post – Crônicas do Dragão – Parte I

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008

Nossos mais sinceros sentimentos

Morreu hoje, vítima de um trelelê no coração, o Brokeback Mountain brasileiro. Beto Carreiro que, pasmem, tinha 70 anos, foi o cara que fez os Trapalhões fazerem as pazes em uma das brigas por dinheiro na década de 80. Só por iso, ele já tem lugar no céu. Estou indo para o sul agora e quando passar por Camboriu, farei um minuto de silêncio.

Bom carnaval para vocês.
 
Clicky Web Analytics