quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

História de um Carpa - Parte 3

Essa é a ultima parte da História de um Carpa. Depois do carnaval, começa a história do Dragão.
Muito bem, depois de tantas lições eu estava pronto para me tornar um ninja. Minha primeira missão era a de entrar no quarto da minha mãe e me apoderar de umas moedas que ela guardava no criado mudo. Eu achei que era mole, pois minha mãe estava dormindo, e usava aqueles tapa-olhos de dondoca. Foi minha primeira grande decepção.
Eu nunca tinha percebido, mas meus pés estalam. Na verdade estalam muito. É um passo e TEC, outro passo e TEC, mais um passo e TEC. Entrei no aposento de minha mãe e no quarto passo ela lança: menino, o que você quer aqui no meu quarto? Me deixa dormir!

Nesse momento descobri que teria que me tornar um guerreiro mais moldado pela força e não pela furtividade. Adeus Ninja. Me matriculei no Krav-Maga. Não deu muito certo, pois mais uma vez as restrições orçamentárias me podaram.

Depois de 3 anos fora, retornei ao colégio de Ipanema, onde permanecia Azaghâl (quando ainda não era o senhor da Oceania). As freiras botaram os funcionários param me seguirem no recreio. Eu tinha voltado diferente. O cabelo comprido, calças rasgadas. Um perfeito marginal (aos olhos delas, é claro).

Eis que um dia, num desentendimento na hora do Recreio, um valentão obeso que lutava judô me chamou para a porrada ao melhor estilo, te pego lá fora. Fui contar a notícia para o Azaghâl e ele disse: "qualquer coisa eu dou porrada em mais um, ou dois e a gente quebra eles".

Ledo engano. Nessa época eu já tinha 1,89m, mas pesava menos de 70Kg. Era tipo o Snoopy Doggy branco. Na saída do colégio descobri que, além do gordão, tinham mais quatro amigos do cara. Eu e o Azaghâl encaramos, porque RETROCEDER NUNCA, RENDER-SE JAMAIS! Apanhamos um bocado. A ponto de eu fissurar a coluna sacra, devido aos chutes que levei enquanto rolava com o gordão no chão.

Lição sexta: Nunca confie na nobreza do inimigo. Se encarar o gordão era difícil, imagina em desvantagem numérica.

Três meses de cama, mas minha vingança veio pelas mãos de um outro amigo. Um aluno que por acaso morava no morro em frente a minha casa. Os valentões nunca aprendem a lição e o gordão foi mexer justamente com esse meu camarada. Ele chamou um tal de MORTE, um maluco do morro que adorava bater em playboy. O tal gordão teve que fugir pulando o muro de trás do colégio, debaixo de vaias e das minhas mais cruéis gargalhadas.

.Essa foi a última vez que eu apanhei na minha vida. Depois desse episódio e de seis lições, o Carpa havia se tornado um Dragão

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

História de um Carpa - Parte 2

Depois de vencer Cláudio de Cubatão, eu passei a ser um porrador. Então, mais com a fama do que com a habilidade eu fui criando minha lenda. Duas suspensões por causa de briga e uma voadora na cara do Fabio Nélio, que o deixou banguela. Uma das suspensões me rendeu um incentivo do meu pai. Ele chegou em casa de tarde, me viu lá e perguntou: O que aconteceu? Não foi para escola? Eu disse que tinha sido suspenso por causa de uma briga e ele de bate pronto respondeu: Bateu ou apanhou? Eu disse que tinha batido no garoto e ele passou a mão na minha cabeça e disse: Muito bem!

Mas, para um adolescente de 12 anos, não existe nada mais traumático do que mudar-se de cidade. Principalmente quando isso envolve uma certa dose de bairrismo.Eu me mudei de Santos/SP para o Rio de Janeiro/RJ. Eu era um inimigo. Um paulista de merrrrda. No colégio, o jeito foi me enturmar com os alunos novos e com um maluco que também era paulista. Fechei meu Colt com André, Marcio Paulista e Manu. Não foi o bastante.

Nos primeiros dias de aula e fui me sentar na ultima carteira, como fazia em Santos (já que era um mito). Mas nessa nova cidade eles não sabiam da minha façanha. Então briguei com um gordinho. Derrubei-o da cadeira e ele se espatifou no chão. Não deu certo, o baixinho, que hoje responde pela alcunha de Azaghâl, ficou furioso e pulou para cima de mim. Acho que imaginei que ele iria ficar com medo, mas não deu.

Ao menos depois disso, eu passei a andar com os maiorais. Bem eram os maiorais da 6º série e eu logo fui arrumar briga com os malditos maiorais de 8º série. Durante uns seis meses eu tive que fugir dos grandões que me chamavam de espeto, graças ao meu tipo físico peculiar. Depois de seis meses eu havia virado o mascote dos maiorais e eles me deixaram em paz, mas...

Nessa idade, mudar de escola pode ser tão traumático quanto mudar de cidade. Saí do colégio São Paulo, na praia de Ipanema, para ir estudar em um colégio preparatório para Escola Naval, chamado Tamandaré, no Centro. Lá tinha marginal de tudo quanto é lugar!

Também nos primeiros meses eu arrumei briga com um sujeito magrinho. Eu, apesar de ainda ser o espeto, podia com ele. Avisei-o: "se continuar a me encher o saco, eu vou te quebrar!" O cara não me ouviu e, na hora da saída eu fui para cima dele. Ele fugiu de mim e só tomou um chute na bunda.

Fui para casa me achando, mas logo iria aprender a Quarta Lição do Carpa: os caras pequenos têm amigos gigantes!

No dia seguinte descobri que ele morava na Ilha de Paquetá e que ele tinha a simpatia de outros dois alunos moradores da Ilha. Um era um baiano parrudo de 1,90m que lutava boxe tailandês. O outro, que na hora me deixou mais apavorado, era o Hipocó, um sujeito estilo Tim Maia, de 160 Kg e que era faixa roxa de Jiu Jitsu. Para agravar a situação, esse cara era conhecido por ter batido em um professor. Era o meu Budd Revell.

Eu estava bebendo água no bebedouro quando fui abordado pelos dois simpáticos diplomatas. "É você que queria bater no Paquetá?" Na saída só o baianão me importunou. Tomei uma cabeçada no nariz (que na época já era grande) e aquilo doeu.
Quinta lição do Carpa é: Uma bela cabeçada é inesperada e dói tanto ou mais que um bom soco.

terça-feira, 29 de janeiro de 2008

História de um Carpa - Parte 1

Como havia prometido, irei contar a saga das minhas porradas, que foi censurado no Nerd Cast (com razão, diga-se de passagem), mas que não pega nada se eu escrever aqui. Como são várias histórias, irei publicá-las em ordem cronológica. Começa com a formação do Dragão e se estende até a redenção e o pacifismo.

As histórias do pequeno Carpa que achava que seria um samurai começaram na década de 80, em Santos. Tentei fazer Karatê, numa academia chamada Dragão Vermelho, com um Sensei chamado Toninho. Apesar do esforço, fiz apenas 3 meses, porque ficou muito caro e meu pai não teve grana para pagar. Nessa época também eu achava que "o" Shaolin era uma cara que lutava bem melhor do que o Bruce Lee.

Eu sempre fui muito magro e muito cabeludo, o que me fazia ter a aparência de um alien cabeçudo. Como já disse, eu sempre tive amigos mais velhos e os piores deles eram os irmãos Matsui. Dois japoneses sem alma. A principal diversão deles era me fazer brigar na praia, depois do jogo de futebol de sábado. Era sempre a mesma história: para ver a porrada rolar, eles escolhiam um cara que tivesse mais ou menos a minha idade e começavam a botar pilha errada nos muleques. Eu, como nunca fui de correr de briga, encarava e na maioria das vezes me dava mau.

Isso foi me moldando para ser um verdadeiro porrador, porque a primeira lição de um lutador é aprender a apanhar. Com o tempo porém você acaba aprendendo a bater também.

O auge dessa fase foi quando o Cláudio, um aluno do meu colégio que morava em Cubatão e era bem mais forte do que eu, resolveu que iria me bater. Eu acho até que mereci, já que o rapaz almejava ser um compositor de samba e ao apresentar suas composições a mim e a mais outro menino, nós zuamos ele até ele não tolerar mais.

Minha segunda lição foi saber que não se deve zuar um cara maior, a não ser que você tenha plena consciência que pode suplantar a deficiência física com habilidade. O que não era o meu caso aos 9 anos.

Esse Cláudio de Cubatão, me perseguiu durante uns 10 recreios seguidos. Minha sorte é que eu era muito rápido. Mas, sabem aquela parada que dizem: você pode fugir, mas não pode se esconder...(?) Então, um dia ele me pegou. Olhou no meu olho e disse: Agora tu vai morrer.

Eu teria de fato morrido, não fosse a sorte, que me ajudou muito. Quando ele se aproximou de mim, pisou sem querer no meu pé. Ao tentar fugir, eu (também sem querer) tirei o apoio dele e ele foi para o chão apoiado com os dois cotovelos. Se ralou todo o coitado. Eu juro que foi sem querer, mas a fama pegou. Todo mundo achou que eu tinha cansado de fugir e enfrentado o Cláudio. E o melhor: eu tinha vencido.

Lição 3: A sorte ajuda os vencedores. Mas não conte sempre com ela.

CONTINUA NO PRÓXIMO POST

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

Morreu o coringa de Brokeback Mountain

Morreu ontem aos 28 anos, o ator Heath Ledger, conhecido por suas atuações nos filmes Brokeback Mountain, em que fazia o papel do Cowboy Viado (ele senta, eu sei que sentaaaa!) e mais recentemente, Dark Knight (ainda inédito), em vivia o eterno inimigo de Batman, o Coringa.
Seja como for, Ledger deve ter morrido feliz. Ao que se sabe ele foi encontrado na casa das Gêmeas do Barulho Mary-Kate e Ashley Olsen (lembra de quando elas eram umas pivetinhas que aprontavam "a maior confusão" na Sessão da Tarde?), rodeado de "pilulas".
A suspeita é de que tenha sido overdose, mas a festinha devia estar muito boa!

terça-feira, 22 de janeiro de 2008

Comprar na baixa e vender na alta...


O risco de recessão nos Estados Unidos é grande. As ações do baluarte da economia capitalista, o Citigroup, estão despencando e as bolsas de valores do mundo inteiro estão indo para o buraco junto. E tudo começou por causa de umas casinhas...

Mas quer saber de uma coisa? Se eu tivesse grana sobrando eu torrava tudo em dollar e ações de bancos americanos. Não sou um especialista, mas um passarinho me contou que se deve comprar na baixa e vender na alta. Alguém aí tem dúvidas de que a economia americana vá se recuperar? Se não for através de medidas e pacotes econômicos, vai ser através de uma outra guerra. Talvez contra o Irã.

Não estou aconselhando ninguém a comprar porra nenhuma. Mas se eu tivesse grana parada, essa era a minha aposta!

sábado, 19 de janeiro de 2008

Se fuderam!

O país ja registrou 31 casos de superdosagem de vacina da Febre Amarela. Isso acontece com quem fica em pânico com as notícias da Vênus Platinada e sai correndo para tomar a vacina.

O que rolou é que no desespero, nego que já tinha tomado a vacina a menos de 10 anos (prazo de validade) e resolveu tomar de novo (só para reforçar).

Dois estão internados em estado grave!

sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

Delírios de mente insana...

Russell diz:
estou pensando em me candidatar à presidencia do sindicato

Russell diz:
elevar as taxas de entrega a níveis exorbitantes

Russell diz:
pizza no retaurante: R$12,00

Russell diz:
piza em casa: R$27,00

Vini diz:
tu vai causar é transito

Vini diz:
ninguem vai pagar esse frete

Vini diz:
rs

Russell diz:
pois é

Vini diz:
ta mais caro do que frete de navio

Russell diz:
quando tudo virar um inferno, eles abaixam o DPVAT

Russell diz:
imagina domingo a noite tu querendo uma pizza

Russell diz:
e vai ter q gastar o dobro ou mais

Russell diz:
fora a gorgeta

Russell diz:
pq senão a pizza chega c queijo só de um lado

Russell diz:
e o refirgerante explode qdo vc abre

Vini diz:
vai rolar um colapso na economia

Vini diz:
ninguem vai mais comer pizza

Vini diz:
as padarias vao lotar

Vini diz:
o ibope do fantastico vai cair

Vini diz:
caos

Russell diz:
é nada

Russell diz:
a maioria paga mas não sai de casa

Russell diz:
sai um dia ou outro

Russell diz:
mas em geral, vão pagar ou sair na rua com a cara pintada

Vini diz:
e derrubar o presidente do sindicato

Russell diz:
é nada, terei minha guarda pessoal

Russell diz:
os Dragões

Russell diz:
capacete com ponta de lança em cima

Vini diz:
huauhauh

Enquanto isso: Cerca de 400 motoboys seguem fazendo protestos contra a proibição de trânsito de motos nas marginais e o aumento abusivo do DPVAT.

PS.: Acho que vou me estender com esse negócio de moto!

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

Cara Tatyana,


existe a pequena chance de eu ter sido mal interpretado e uma grande chance de eu ter me expressado mal no Post - Ah, sim: A culpa é dos motoqueiros!, de 11 de janeiro de 2008.

Portanto, e para que a sra. (ou srta) não ache que É PALHAÇADA!, vou tentar me fazer claro a respeito do Seguro Obrigatório.

Em primeiro lugar, devo dizer que considero o DPVAT um caça-níqueis estatal. Não conheço ninguém que tenha sido beneficiado por ele. Mas, em compensação, todos pagam o tal seguro (que como o nome diz: é obrigatório).

Em segundo lugar, o título do post deveria ser Ah sim: A culpa é SÓ dos motoqueiros!. Pois eu entendo que existem milhares de motoqueiros que se arriscam e arriscam a vida dos outros, correndo nos corredores, passando sinais vermelho e entrando na contra-mão. Todavia, ao contrário do que parece, eles são minoria. Você pode achar que essa idéia é loucura, mas é a real. O que acontece é que aqueles malucos que passam destruindo retrovisores chamam muito mais atenção do que os motociclistas educados. Esses últimos passam despercebidos.

Agora a parte que interessa. Eu sou um cara que respeita as leis de trânsito (quase todas elas) e não me arrisco no tráfego. Mesmo porque já tomei chão por uma bobagem e tive a clavícula fraturada. No entanto, não existe um só dia da minha vida que eu não seja fechado por um automóvel. Ou é uma dondoca falando ao celular, ou é um playboy de pick-up turbo querendo mostrar o tamanho do carro (para compensar a falta de tamanho do pau). Às vezes é um velho que não tem mais idade para dirigir, mas que o Detran deixa ele ficar zigue-zagueando pelas ruas. Outras vezes é um cara distraído que abre a porta do carro sem olhar se vem vindo alguém.

O que acontece é que, generalizando, ninguém respeita moto. Quantas vezes eu fui fechado por carros que saem de seus prédio, olham para mim trafegando e mesmo assim avançam? Todos os dias eu digo! Sabe o porque? Com eles não acontece nada. No máximo um arranhão na lataria. Conosco, em cima da moto, qualquer tombo pode ser trágico.

Agora, faz uns 5 anos o governo incentivou a compra de motos, com financiamentos e planos do Banco do Brasil. Hoje eles acham que gastam muito com a saúde dos motoqueiros. E como eles sanam isso? Taxando a todos e não só os infratores.

O que falta nesse país é educação. E se é para ser justo, então cobre multas mais altas para quem infringe a lei. Tire a carteira de habilitação de quem é reincidente. Bote na cadeia quem desafiar as determinações. Mas não me venha dizer que eu tenho que pagar o DPVAT três vezes mais caro do que o de uma pick-up porque motoqueiro se acidenta mais.

Daqui a pouco vai existir um imposto para os moradores de favelas, taxando-os por serem mais suscetíveis a tomar tiro de bala perdida.

Para finalizar, espero que quando você pedir pizza e o entregador estiver demorando, você não ligue para apressá-lo, pois estará incentivando-o a se enfiar por entre os carros. E espero também que seus filhos (se já tiver, ou os queira ter) não andem de moto. Caso isso aconteça você vai ver que por mais que eles sejam responsáveis e educados, você estará sempre com o coração na mão, rezando para que eles sobrevivam às dondocas no celular e aos velhos cegos.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

Cuidado com a Febre Amarela

A Febre Amarela pode matar. A Febre Amarela pode ser transmitida pelo mesmo vetor da Dengue, o Aedes Aegypt, que infesta as cidades de todo o Brasil. Já foram diagnosticados 2 casos esse ano no Brasil. Vamos todos morrer de Febre Amarela.

Você ficou com medo? Pois é, agora deixa eu esclarecer umas paradas que a Globo se esquece de falar nas matérias dos telejornais. A Febre Amarela Silvestre, que é a mesma doença, mas que é transmitida por um mosquito que vive no mato, já matou quase 360 pessoas nos últimos 10 anos. Isso dá uma média de 36 por ano, ou seja: 3 por mês. Para chegarmos à média, temos que perder mais um paciente esse mês. Ainda temos 15 dias!
Não houve nenhum caso de Febre Amarela na zona urbana do Brasil. O sangue só fica contaminado nos 2 primeiros dias. Isso quer dizer que, quando o cara está mau e vai para a cidade se tratar, ele já não está com o sangue contaminado. Então, não precisa sair correndo para tomar vacina.

Mas porque a Globo (e os outros veículos de comunicação que vão na onda) fica alarmando a população sobre o risco de uma mega-epidemia? Porque Dengue não dá mais IBOPE.

P.S.: Não durma de cueca molhada! Ouvi dizer que você pode pegar a Febre Amarela se dormir de cueca molhada.

domingo, 13 de janeiro de 2008

Boiruim!

Tem uma teoria que diz: Se você viu um filme antes dos 15 anos e gostou, não veja novamente. Com certeza a lembrança é melhor do que, de fato, o filme.

Esse sábado eu tive a oportunidade de descobrir que essa teoria se estende à restaurantes. Durante anos da minha infância eu frequentei com a minha família uma churrascaria da Praia Grande chamada Boibão. Era uma beleza almoçar lá. Rodízio de carne de primeira e um parquinho sensacional.

Esse final de semana eu fui até o tal Boibão com a minha respectiva. Preço por cabeça:R$26,80. É meio caro, mas a lembrança era boa. Chegando lá dentro percebi que a mesa de frios tinha diminuído. Mas ainda assim ainda era bem variado. Champignon, Queijos, Salaminho, Palmito, etc. Só que enquanto o palmito e os queijos estavam secos feito pedra, o champignon, os ovos de codórna e o salaminho estavam sem gosto.

Bom, vamos ao que interessa: a carne. Cara, um conselho, se a carne de um rodízio vem "ao alho" isso quer dizer que é carne velha disfarçada com alho. Quase todas as carnes vinham ao alho.

Outra dica, só vá a churrascarias lotadas. Nas churrascarias lotadas a carne roda. Nas vazias, a carne encalha. No Boibão, das quase 200 mesas disponíveis, somente 10 estavam ocupadas.

Já estava difícil por causa da comida, mas o calor estava insuportável. Não tinha ar-condicionado, só uns ventiladores que jogavam ar quente na nossa cara. Além disso, estava difícil deglutir o alimento com a cabeça de boi na parede olhando para mim. Ele tinha um olhar muito triste. Também, pudera, botaram um chapéu de papai noel na cabeça dele e uns enfeites de árvore de natal enrolados no chifre. Eu também ficaria triste.

Final das contas, a conta. Paguei a bagatela de R$76,00 e fiquei imaginando que poderia ter almoçado no Outback, no Tertulia, no Veneza e ainda levado para casa. Ao ir embora passei pelo playground. Quase chorei. Caraca, nunca vi nada mais abandonado. Os brinquedos não tinham sido mudados desde minha infância, há pelo menos 25 anos.
Por isso eu peço aqui nesse espaço: Luciano Huck, por favor, vai lá na Praia Grande dar uma forcinha para os caras, Ta ruim demais.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2008

Ah, sim: A Culpa é dos motoqueiros!

Na manhã de hoje, cerca de 400 motoqueiros paralisaram o trânsito na Marginal Pinheiros e na esquina da Avenida Paulista com a Brigadeiro. O principal motivo da manifestação foi o aumento abusivo do seguro obrigatório (quase 50% de 2007 para 2008). O governo diz que o problema é que 57% as indenizações são por acidentes com motociclistas.

Agora reflitam. O seguro obrigatório serve para indenizar vítimas de acidentes no transito, mas a indenização é para quem sofre o acidente e não para quem causa. Os acidentes de moto são causados em sua maioria por automóveis. Os acidentes que ocorrem sem motocicletas envolvidas também são causadas em sua maioria por automóveis. Então, quem deveria pagar mais caro? O indenizado ou o causador?

Se você tiver uma pick-up Ranger de 1.2 tonelada, daquelas que passam por cima de moto, de carro e de pedestre sem precisar reduzir a velocidade, você paga cerca de R$80,00. Agora, se você dirige uma motoneta Biz de 100Kg que não atropela nem cachorro, você paga a bagatela de R$250,00.

Para completar: Quantas pessoas você conhece que já utilizaram o seguro obrigatório? Se por acaso você conhece alguma, pergunte quanto tempo demorou para receber e qual o valor do recebido. Essa é só mais uma máquina de fazer dinheiro público virar champagne francesa e cocaina colombiana.

quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

Um passarinho me mandou um e-mail...

... dizendo que estas são fotos da casinha de um Bispo. Um Bispo que é dono de uma Igreja. Uma Igreja que abrange todo o Universo.



quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

Diretamente do Inferno

Caralhas, isso só pode ser pegadinha! Essa menina não pode ser uma criança. Desconfio que seja uma anã que fuma crack!

(Post roubado do Sedentário e Hiperativo.

terça-feira, 8 de janeiro de 2008

Pérolas Televisivas de Aracaju

Como ultimamente o assunto em pauta é TV, resolvi fazer aqui uma coletânea do programa mais sensacional da TV de Aracaju. Notem como o repórter não tem nem sintoma de escrúpulos. É tudo pela audiência. SEM MEIAS PALAVRAS.


domingo, 6 de janeiro de 2008

CORREÇÃO

Corrigindo o post abaixo, não é a cena que foi a pior. É JUSTAMENTE a novela inteira que é a pior de todos os tempos. Há muito tempo eu não via tanto amadorismo na direção, continuismo e no roteiro de uma novela.

Parabéns para a Globo. Chamou o povo de idiota sub-beócio e não está mentindo!

sábado, 5 de janeiro de 2008

Justamente, a PIOR CENA DA TELEDRAMATURGIA


Quando eu vi anunciarem a tal cena do "Massacre da Portelinha" , na Novela das 8, pensei que poderia ser um revival da fase de ouro(????) da teledramaturgia nacional. Pensei logo na cena da morte do Ladislau, em O Dono do Mundo (1991).

Ledo engano. Conseguiram sim, fazer a pior cena de novela de todos os tempos. Tudo na cena foi escroto:

- Figurino: os bandidos eram traficantes cariocas, mas se vestiam como guerrilheiros das FARC, com boné e camiseta camuflados, cuturno e colete(??)
- Trilha Sonora: Quiseram dar um ar dramático à invasão e meteram música clássica. Ao invés de lançar uma Cavalgada das Valkírias ou Carmina Burana, me soltam As Quatro Estações, de Vivaldi, sabe qual é? Aquela música do comercial do sabonete Vinólia.
- Diálogos: Quem alguma vez falou com bandido sabe perfeitamente que certas palavras não se encaixam na boca de um traficante. E os moradores, que paravam no meio do tiroteio para conversar?
- Efeitos de som: O barulho que fazia era tipo o do Iraque. Um milhão de balas por segundo e nada de gente morta.
- Efeitos Especiais: A cada rajada de fuzil, eu esperava um estrago na parede, ou vidros quebrados, mas nada. As balas de festim não atravessaram nem a mesa de bilhar que os Portelinhos usaram de escudo, nem o carro em que os anões se esconderam atrás. Já não se fazem mais AR15 como antigamente.
- Armas velhas: Juvenal Antena, justamente, arrumou umas armas que estavam escondidas há anos em um porão e (exclamação!!!!!) nenhuma falhou. Nem a bazuca da 2ª Guerra Mudial, que só xamuscou a cara dos bandidos.
- Nuno Leal Maia: O outrora Prof Pasqualete foi a única coisa que prestou na cena inteira. Isso se fosse uma cena dos Trapalhões. O cara me sai com uma garrucha velha e fica na porta de casa atirando na bunda dos traficantes e gritando que nem um maluco (que de fato é).

- Traficante: Não poderia ser melhor. Toda a canastríce de Paulo César Pereio como Lobato, o traficante malvadão.
- Desorganização: Péssima direção. Juvenal sumia e aparecia do nada, personagens fugiam e depois estavam no meio do fogo cruzado. O tiroteio estava na frente do bar e depois estava há quilômetros de distância, etc.

Segundo a Wikipedia, "Duas Caras é a atual telenovela de Aguinaldo Silva, com a colaboração de Nelson Nadotti e direção de Cláudio Boeckel, Ary Coslov e Gustavo Fernandes, tendo WOLF MAYA como diretor geral e de núcleo."

Portanto, a todos esses nomes supracitados uma homenagem: vocês estão de parabéns! É disso mesmo que o povo brasileiro gosta. Eu aplaudo vocês de pé e de coração. Aposto que foi pico de audiência!

Um pedacinho da cena para você chorarem (de rir?)

quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

Quantos pivetes?

Dia desses topei com crianças de cinco anos "brincando" com cerol na Imigrantes. Minha vontade era descer e destruir suas faces infantis. No mesmo dia, passei no Mc Donalds e uma "gang" de pivetes estava jogando pedra e tocando o terror. Eu pensei: Vamos matá-los antes que virem assassinos! Aí, em uma conversa com um aluno/amigo do blog PRIOR BLOGANDO , fui apresentado a um site que calcula o número de crianças de 5 anos que você consegue enfrentar numa briga! Eis o meu resultado:

36

Find Ultrasound schools near you


Não clique na imagem!!! Confira AQUI!

terça-feira, 1 de janeiro de 2008

Mayra no BBB 8

Gente, esse Anjo de Candura está pedindo sua ajuda para entrar na Casa do Bg Brother Brasil 8. Ela é uma menina pop do interior de SP. Veja o Vídeo abaixo antes de continuar a ler o post.

Agora vamos ao que eu chamo de Lobo em Pele de Cordeiro. Só para provar aquele lema antigo: Todas são, poucos sabem!
Olha que FOTOS mais meigas. AQUI (link desativado)
O Orkut da menina ta AQUI. E tem uma comunidade dela AQUI.

Para dar uma forcinha para ela entrar no BBB 8 é só clicar AQUI.
 
Clicky Web Analytics