sexta-feira, 6 de junho de 2008

Para o Mundo! Eu quero descer...


(Atenção: Post para me chamarem de homofóbico!)

Perdi minha TV ontem. Foi uma infantilidade e uma selvageria de minha parte, mas não me contive. Taquei uma lata de cerveja na tela de LCD e foi tudo para as picas(Picas????).

Bem, esse início foi só para dramatizar. Não joguei lata nenhuma, porque a TV é minha, mas a lata será lançada em alguém se essa lei for aprovada:

Hospital do SUS fará cirurgia de mudança de sexo, anuncia José Gomes Temporão.

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, anunciou hoje (05/06) que, até o final do mês, assinará uma portaria que vai permitir a realização de cirurgia de mudança de sexo pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Quer dizer falta verba para a saúde e o Sr. Lula quer criar um novo imposto (CSS)para arrecadar grana para o ministério?

Vou te dizer o que tem que dar para esses caras: LOBOTOMIA! Desculpem-me, mas na minha opinião, quem quer dar o toba, que dê sem problema (por tanto que não queira dar para mim). Agora, cortar a pica fora, dizer que é uma mulher presa dentro de um corpo masculino e esses papinhos é doença! Psiquiatria neles pooorra!

Era o que faltava: eu vou pagar para doente virar Roberta Close!

13 comentários:

Igor Harã (Maquiavel Warson) disse...

E o pior!

Se você precisa de uma consulta, só daqui a 1 mês e meio. e tem que chegar de madrugada pra pegar senha!
Além de você nem poder respirar no consultório do médico por que você mal entra ele já te manda sair.

Ontem mesmo eu vi outra reportagem no que a proposta inicial do CSS (Contra Seu Salario, Cansei de Ser Sexy ou whatever) viria apenas para substituir a fonte de dinheiro para a Saúde e não acumular...

Além de já trabalhar mais de 3 meses por ano pra pagar imposto ainda vem uma dessa. Nem gosto de imaginar os bilhoes gastos com gbinetes, viagens e moradia desses paralamentares...

é por isso que só tem escr*t* nesse país. ser político é lucro!
Literalmente estamos F*did*s...

Robertinho disse...

ATENÇÃO!
O MINISTÉRIO DA SAÚDE (física do Nando) e o MINISTÉRIO DA DEFESA (da integridade física do Nando) ADVERTEM:
- QUE O PRESENTE POST TEM COMO OBJETIVO PRIMORDIAL DIVULGAR QUE SEU AUTOR POSSUI UMA TV LCD.
APENAS ISSO!
TODOS OS ARTIFÍCIOS DE HUMOR, QUANDO EXALTADOS E EVENTUALMENTE OFENSIVOS À CREDO, RAÇA OU OPÇÃO SEXUAL, DEVEM SER DESCULPADOS E NÃO LEVADOS A MAL.

Robertinho
(aquele que teme pela vida de seus amigos)

Fred disse...

Cara, eu tô tão irritado que nem consigo pensar direito.

Sabe o que essa atitude idiota vai causar? Mais homofobia. Imagine alguém que realmente precise de atendimento médico público, que a vida desta pessoa, ou de alguém que ela goste, dependa disso. Aí alguém diz pra ela que alguma coisa atrasou ou foi cancelada por falta de verba. Imagine essa pessoa associando seu problema ao "distúrbio psicológico" dos citados? Capitão, isso vai dar merda.

Concordo que cada um tem o direito de fazer o que quiser de sua vida sexual mas o fato do cara ser gay (ou a mina, tanto faz) não muda o fato que a pessoa nasceu de um jeito ou de outro. A pessoa não ter mais o órgão sexual com que nasceu não a faz mudar de sexo, a faz apenas uma amputada por opção. Isso mesmo, uma AMPUTADA.

Educação é determinação de limite e este é mais um exemplo da falta de educação de nós, brasileiros.

Zequinha disse...

Vergonha do pais que agente vive!

parabéns pelo blog

Lúcio disse...

Ninguém vai acreditar, mas juro que não li o seu post antes de escrever o meu. Isso é que é uma redação com linha editorial. Até a amiga do Erasmo Carlos foi ressuscitada em conjunto. Je-sus.

Daniell disse...

É, realmente um pouco homofóbico. Ser contra o SUS financiar a cirurgia é um direito seu, afinal cada um deve ter uma opinião sobre como seu próprio país gasta a verba pública. Mas dizer "eu vou pagar para doente virar Roberta Close!" é que faz toda a diferença né! E antecipar que algumas pessoas vão te chamar de homofóbico não quer dizer que você não seja de fato.

Jack disse...

Daniell, acho que tudo depende da interpretação do termo. Para mim, homofobia é a aversão ao homossexual.

Se o cara quer dar o toba, eu não tenho nada a ver com isso e não me importo nem um pouco. Como escrevi no post! Se fosse solteiro, diria mais: é menos concorrente para mim!

Agora, se você acha que é normal uma pessoa fantasiar que é uma mulher presa dentro de um corpo masculino, se travestir de forma extravagante, fazer escândalo por onde passa para chamar a atenção e se mutilar, então eu sou homófobo.

Homossexualismo é opção sexual. O "resto" é caso de tratamento psiquiatrico.

Daniell disse...

É verdade, depende do que você chama de homofobia. Mas quando você pergunta se acho normal todas essas características que você elencou, tenho que te atentar para o fato que normal também é uma palavra que assume algumas interpretações. Pra mim normal é um contexto amplo, muito amplo. Eu prefiro usar comum e incomum. Pra mim anormal seria algo de lesivo para a sociedade, e eu não consigo pensar em como alguém que deseja cortar o pênis fora – aliás, é bom deixar claro que as novas cirurgias não ‘arrancam’ o pênis fora, ele é usado em parte para reconstruir a vagina ‘sintética’ -, pode ser lesivo para a sociedade. A pessoa fica improdutiva? Vira algum tipo de psicótico-assassino? Se fica, eu desconheço alguma pesquisa que demonstre isso, e eu tendo a acreditar mais na ciência do que no senso comum. Eu sou da opinião que a pessoa pode fazer o que quiser dentro das suas quatro paredes, desde que, obviamente, não seja lesivo para o resto da sociedade.

Acho inclusive que o estado não tem o direito de interferir quando alguém quer fazer mal ao próprio corpo, por isso, mesmo que ‘mutilado’ fosse uma palavra apropriada para esses casos - e não é, é só uma forma do argumento parecer mais enérgico e o contrário mais ridículo – ninguém tem nada com isso. É claro que tem que ficar claro que a pessoa tem de estar de posse das faculdades mentais. E o processo de mudança de sexo leva aproximadamente dois anos (em média), onde os médicos podem atestar se o paciente tem algum sofrimento mental ou não (em caso de possuir, a cirurgia não é realizada).

O que eu fico pensando é no porque de tanta virulência sobre o assunto (não no seu caso, mas em geral). Como eu disse no comentário anterior, discutir sobre a legitimidade ou não do estado financiar esse tipo de cirurgia é uma coisa, mas tecer considerações sobre a sanidade mental de um grupo que provavelmente a maioria das pessoas que comentou aqui não conhece nenhum membro, é uma situação completamente diferente pra mim. É como dizer: brâmanes são mesmo muito desorganizados! Uma coisa é comentar sobre a sanidade mental de um grupo de pessoas que você conhece, outra é se apropriar de um ‘conhecimento’ do senso comum e achar que isso é suficiente pra ter uma opinião acurada sobre determinado fenômeno.

Agora quanto a dar escândalos e ser um chafariz ambulante eu também sou contra, mas com qualquer pessoa que haja assim, independente da orientação sexual. E sou contra pelo simples motivo que incomoda quando você está num restaurante ou coisa do tipo. Só que eu não tenho certeza que todos os homossexuais agem desse jeito. Já assistiu Transamérica, por exemplo? É um filme sobre uma transexual que não age espalhafatosamente. Enquadrar todos os indivíduos de um grupo em categorias inflexíveis não é muito saudável pra mim.

Outro ponto que eu achei interessante foi você dizer “O "resto" é caso de tratamento psiquiátrico”. Isso me parece uma opinião consistente, embora eu não concorde com ela. Se você assume que algo é uma doença, é natural então que você ache o melhor tratamento o tratamento médico, ok, coerente! Se você conhece alguém que sofreu um derrame vai querer ouvir um neurologista, ele sabe melhor do que a própria família do paciente, como proceder. Se conhece alguém que é transexual a especialidade médica é a psiquiatria, alguém que provavelmente estudou o assunto e sabe melhor do que a gente. Até aí tudo bem. Mas minha pergunta pra você é: e se o médico concluir que o melhor tratamento é a cirurgia? A opinião profissional do médico subitamente vai deixar de fazer sentido?

Só mais uma coisa: homossexualidade não é uma opção. É claro que seria injusto da minha parte colocar isso sem falar que essa opinião não é 100% aceita pelos cientistas. Mas as pesquisas demonstram, na maioria maciça das vezes, que ela segue fatores genéticos muito claros. Afinal ela está presente em outras espécies animais. E ninguém em sã consciência acredita que um golfinho ou chimpanzé ‘escolhe’ ser gay. O problema é que esses assuntos ferem o pensamento religioso e o senso comum, é como o povinho que não acredita na evolução. Vou começar a não acreditar na lei da gravidade, vamos ver se eu consigo voar 

Eu sei que isso tudo parece muito chato. E provavelmente é mesmo , essa coisa de politicamente correto é meio maçante. Mas sei lá, eu gosto do seu blog e já vi como você discute com seus leitores e achei que poderia ser interessante. Não acho que ninguém é obrigado a gostar de ninguém, inclusive de gays (travestis, transexuais, etc), mas não sou muito fã de ideologias muito virulentas e taxativas, acho que no fundo no fundo isso não faz muito sentido numa sociedade que quer evoluir. De qualquer forma obrigado pela atenção!

Jack disse...

"...tem que ficar claro que a pessoa tem de estar de posse das faculdades mentais."

Acho que o ponto é justamente esse. Na minha opinião, essas manifestações "extravagantes" (que não são exclusivas de homossexuais) refletem um desequilíbrio psiquico. Lógico, essa é só a minha opinião de leigo. Como você salientou, eu não estudei sobre o assunto para embasar a fundo o meu ponto de vista.

Só faço uma análise por alto, através da comparação com o louco tradicional que vive em outra realidade (o famoso Napoleão do hospício).

Sobre, a causa genética da homossexualidade, eu concordo que possa ser isso, com um reforço às vezes da educação. Mas não quis entrar nesse assunto. Porque isso gera uma opinião que pode parecer mais homofobica. "Se homossexualidade é um fator hormonal (ou o que seja), pode também ser encarada como algum tipo de doença?"

No mais, a maior indignação é com o governo, que para amenizar o "castigo" dado pelo exército ao casal de soldados gays, resolveu liberar a tal cirurgia pelo SUS.

Me desculpe, mas eu não quero pagar essa conta. Eu quero pagar a cirurgia de uma amiga que precisa secar as varizes da perna, mas que o SUS diz que é estética (quando não é). Eu quero pagar os exames que minha mulher, que ela tentou fazer pelo SUS e não conseguiu marcar hora nos próximos 3 meses. Eu quero que o governo deixe de tomar medidas populistas para agradar a todos e ganhar mais votos!

Valadão disse...

É. Parece q apareceu um belo de um entendido por aqui.

Daniell disse...

Quanto as medidas populistas também sou radicalmente contra, especialmente num país que deveria investir em educação para respeito à outras orientações sexuais mas prefere seguir por esse caminho. Um caminho análogo, aliás, a construir praças ao invés de investir em infra-estrutura de base para urbanização. Quanto a isso não poderia deixar de concordar mais com você, acredito que nenhum pessoa racional deixaria de concordar.

Fred disse...

@daniell

"Só mais uma coisa: homossexualidade não é uma opção."

Não concordo totalmente com você aqui, Daniell. Não entendo muito do assunto mas pelo pouco que li existe um parcela de casos onde há um disfunção genética e/ou hormonal mas isso não significa que todos os casos são assim.

Existem várias disfunções psicológicas que levam ao homosexualismo, do caso clássico de pai ausente e mãe dominadora até insegurança social.

E mesmo assim ainda vejo alguém que "trocou de sexo" como uma pessoa amputada.

Breaker disse...

PQP!!!! Falta verba para tudo nesse país! A saúde tá uma droga! A educação também, a segurança, a pobreza, etc. E AINDA VEM GENTE COM ESSA DE PERMITIR CIRURGIA DE MUDANÇA DE SEXO PELO SUS!!
Na boa, parem o mundo que eu quero descer também. -.-

 
Clicky Web Analytics