terça-feira, 4 de março de 2008

Crônica de um Dragão - Parte 2

Um dia o Dragão teve uma revelação. Uma luz apareceu e disse a ele: Saiba escolher com quem andas. O Dragão apagou a luz e continuou com seus amigos leais, mas encrenqueiros. Um deles em especial era leal demais e encrenqueiro demais. Onde ia, arrumava briga. Parecia um para-raio de confusão.

Certo dia, saindo de um boteco, o amigo leal soltou um arroto. Um belo arroto, diga-se de passagem. O boteco era longe de casa – leia-se: em território inimigo – e um bando de malandros tão encrenqueiros e alcoolizados quanto o amigo do Dragão, se levantou e um deles bradou:

- Ninguém arrota na minha área!

Foi o bastante para um combate.

Ensandecidos, os inimigos atravessaram a rua com muita disposição. Um deles tinha uma cadeira de metal e foi direto para cima do Dragão. Quando chegou bem perto, desceu a cadeira com toda força. Mas o Dragão não era mais um Carpa e defendeu o golpe. Num só movimento aparou a cadeira, tirou das mãos do agressor e devolveu-a na lata do maluco. Era um oponente a menos.

Infelizmente, o bando era deveras numeroso. Sei lá, devia ser uns 3 para 1, fora as namoradas dos caras que socavam e eram socadas. Aliás, uma disse que o Dragão era um covarde porque tinha socado a amiga dela. Outra o chamou de fraco, pois tinha sido golpeado por outra amiga. Uma bela confusão que não teve lá uma lição tão importante. Quarto Ensinamento do Dragão: Se estiver em território inimigo, não arrote alto, ou esteja preparado para o pior.

No dia seguinte o antebraço do Dragão estava moído por causa da cadeira de metal que ele havia aparado. A lição foi um pouco melhor. Quinto Ensinamento do Dragão: Quando a cadeirada for iminente, não defenda, esquive-se.

2 comentários:

Fred disse...

Eu sempre achei que as dores no dia seguinte serviam pra gravar as boas lembranças e os ensinamentos do que não repetir. :)
Qto ao Quinto Ensinamento eu acho que vale pra todo os golpes iminentes, principalmente porque o oponente costuma perder o equilíbrio qdo você se esquiva.

Pablo Serenza Marques disse...

Lembro de ter dado um golpe em uma das garotas, com a mão esquerda com lado de cima da mesma (leia-se uma tapa mesmo)ela foi direto chão.
Desaprendi a arrotar desta maneira e aprendi a me esquivar, depois de muito tempo...

 
Clicky Web Analytics